sexta-feira, outubro 12, 2007

On the cover of a magazine

Apesar de apreciar a opinião do Sr. do Oscar Wilde quando diz que “fashion is a form of ugliness so intolerable that we have to alter it every six months.” tem-se falado pouco de moda por estas bandas e este é o post que vai preencher a lacuna.

Está convencionado desde que existem revistas de moda e tratamento de imagens que a capa deste tipo de revistas terá sempre uma linda mulher, quase nua ou quase vestida, seja a nova coqueluche das modelos ou uma actriz/cantora com alguma forma de sex-appeal.

Está mais que provado que a capa envolverá um fotógrafo da/de moda e respectivos responsáveis por styling, hair stlyling e make-up.

E toda a gente sabe que a capa terá uma dezena de títulos que falarão de temas tão importantes e variados como Malas, Vestidos, Acessórios, Botas, Jeans, What´s Hot, What´s Trendy, What’s New, Lindsay Lohan, Namorados, Homens, Sexo, Dating Tips, Traições, Ménages, Férias, Estilo, Dietas, O Cancro da Mama, Anti-depressivos, Cremes de Beleza, Celebridades, Maquilhagem, Verão, Primavera, Outono e Inverno. Lá dentro, mais de metade do peso será obviamente publicidade.

Certo?

Tudo errado.

E se agora formos para trás do mundo das revistas na tentativa de encontrar um candidato para substituir a mítica editora da Vogue americana, Anna Wintour, a tal que inspirou a criação de Miranda Priestley a editora com o corpo da Meryl Streep em O Diabo Veste Prada?


Ele já existe e pegou ao serviço há cerca de um ano, chama-se Scott King e traz no portfólio um projecto com o premonitório título de “How I’d Sink American Vogue” entre outros projectos para as revistas i-D e Sleazenation.

O primeiro número da era King tinha, como se pode ver, uma capa completamente tipográfica, estava inteiramente dedicada ao tema “anti-guerra” e era grátis.

O número de Maio tinha o popular título “635 Poor People Upside Down”.



Em Julho a revista não tinha um único anúncio e em vez de sacos de praia ou chapéus de sol oferecia um clipe anticapitalismo.



Brevemente voará para as bancas o número de Novembro, onde mais uma vez figura uma bela modelo, neste caso um belo exemplar da espécie Brotogeris versicolorus chiriri que defende para si um estatuto de deusa.





Chegou a altura de confessar: nunca me senti tão em sintonia com o mundo da moda.

2 comentários:

miss_blythe disse...

Tem muita graça, mas who gives a shit?
Strike a pose, baby.
;)

Sr. Funesto disse...

That's the problem, today no one gives a shit about any shit.