segunda-feira, outubro 23, 2006

“Escuta bem Tom: uma jangada é coisa simples de fazer.

Bastam duas dúzias de bons garrafões de plástico ou vasilhame equivalente e uma mão cheia de metros de arame.
Tudo bem atado e reforçado com fita adesiva em quantidade que baste, e estamos prontos a partir.

A dificuldade reside na vela.

Não é fácil encontrar uma vela pronta para os ventos de norte, e que não desatine com os ventos de sul.
Uma vela do tamanho certo, não importa a cor, porque uma jangada de piratas pode marinar sem pavilhão ou estandarte.
Mas uma vela que saiba qual o sabor certo do vento, essa não é fácil de encontrar.

Anda, que temos pressa nessa vela, urgência, premência. O rio enche a olhos vistos, a corrente puxa forte para o oceano.
Que vida é esta de aldeões quando deveríamos ser piratas?

Sem chegar nunca, sempre de abalada.”

jangada_LR

1 comentário:

srfunesto disse...

Agarraste nos garrafões vazios da máquina da água, arranjas-te uma vela e uma bandeira de piratas e puseste-te de abalada?

Boa viagem, Tom.