segunda-feira, setembro 01, 2008

mantra do frio amanhecer

raios partam,
por não adivinharmos a curva. apertada.
a que não tem marcas amarelas que avisam para que lado se torce.
aquela que vem, depois da lomba, quando é de noite e as árvores não deixam alternativa.
zumn zumn zumn.

raios partam,
por não fecharmos a janela para que as coisas não deixem som ao passar tão rápido.
por não amarmos os sorrisos que criamos,  sabendo o que custa deixa-los morrer.
todos se perdem numa curva que alguém fez, mas não marcou.
uma curva sem pistas.
zumn zumn zumn.

raios partam,
o amanhecer. que não deixa ver depois da curva, que apenas confunde.
o amanhecer frio, sem fim. que todos dizem amar, sem ver.
que chega quando é mais fácil esperar a direito, sem reduzir.
zumn zumn zumn.

raios partam,
porque era uma vez uma curva torta, retorcida, imprevista e imprevisível.
que apareceu depois de se ganhar balanço, quando não se sabia que ainda estava por fazer.
veio e ainda não se deixou passar.
zumn zumn zumn.
raios a partam. e a mim que a fiz.

2 comentários:

ana simões disse...

só me ocorre uma interjeição católica:
"oh, minha nossa Senhora"
ou mesmo
"Valha-te Deus".

e nós somos os dois ateus...

Nuno Leal disse...

que mantra bueno ya

emiliorobin.blogspot.com