quinta-feira, novembro 24, 2005

Da Oratória

A arte do convencimento pela palavra.

Os romanos consideravam-na acima de todas as coisas. Muito acima das artes menores como a escultura ou a pintura, que implicavam trabalho manual e não se distinguiam da carpintaria ou da agricultura.

No principio do século I a.C. existiam em Roma duas correntes de oratória diferentes:

  1. A corrente asiática (rhetores asiatici) definida pela sua forma floreada, pelo ritmo, pela subtileza e engenho. Mas muitas vezes rebuscada e sentenciosa.
  2. A corrente neo-asiática, sem artifícios, com frases breves, directas e secas. Tendo como modelo o orador grego Lisias. Teve pouco êxito e não formou escola.

Todas as obras dos grandes oradores clássicos desapareceram, resta-nos no entanto uma obra, a Rgetorica ad Herennium. Um manual de oratória onde encontramos uma descrição bastante completa do que ensinavam os “rhetores latini”.

(continua)

1 comentário:

srfunesto disse...

Estou à espera da continuação. Continue a orar, Sr.Nefasto.